A pérola cultivada é formada dentro de um molusco chamado ostra, da mesma forma que a pérola natural. Entretanto, com a cultivada, a ação do homem é presente no processo, o que faz com que o surgimento da pérola seja induzido.

O processo natural da criação da pérola dentro do molusco se caracteriza por não ter nenhuma influência externa do homem, sendo a pérola formada apenas por razões que estão dentro da natureza e sendo muito utilizada em pulseiras e colares.

Assim, é muito importante conhecer a diferença entre uma pérola cultivada e a pérola natural, buscando sempre escolher qual a melhor opção para compor a joia ou semijoia que você deseja adquirir.

Venha com a Hésttia para mergulhar no mundo das pérolas e entender tudo sobre a pérola cultivada.

O que é pérola cultivada?

A pérola cultivada, como previamente citado, é um tipo de pérola que durante a sua formação possui a interferência do homem.

Ou seja, ao invés do procedimento ser cem por cento natural, o ser humano induz o molusco a criar uma pérola conforme as necessidades e demandas de produção.

No processo natural, a pérola é formada quando algum material estranho e não reconhecido entra no interior da ostra, o que faz com que ela se defenda.

A defesa da ostra é feita pela liberação de substâncias que cobrem a matéria estranha dentro do seu corpo, recobrindo a mesma até que a pérola que conhecemos seja formada.

Sendo assim, ela é feita a partir de um processo natural e extraída pelo ser humano após a finalização dessa ocorrência, sem que este interfira de forma direta na formação da pérola, mas somente extraia a mesma depois que já formada.

Por outro lado, a pérola cultivada é feita com a interferência do ser humano. Isso porque, dentre as tantas técnicas para criar uma pérola dentro da outra, destaca – se a inserção de um corpo estranho.

Como estabelecido previamente, a ostra manda substâncias no seu interior para recobrir o material quando detecta que alguma matéria que não faz parte da sua composição se encontra presente no corpo do molusco.

Assim, quando o assunto é pérola cultivada, o homem insere alguma substância dentro da ostra fazendo com que esta não reconheça o material e se defenda com os mecanismos que fazem a pérola de tornar o objeto decorativo que tanto conhecemos.

O material inserido pelo ser humano cultivador dessas pérolas não naturais pode ser das mais variadas espécies.

Desse modo, é possível citar algum composto de matéria orgânica que induz a ostra a se defender.

Além disso, a inserção de pequenos cilindros desenhados e produzidos de maneira específica para esse trabalho também é muito comum.

Com esses cilindros, é possível definir a forma e modelo que o cultivador pretende alcançar.

Desse modo, é mais fácil prever como a pérola cultivada ficará apresentada após a realização desse procedimento que, por meio da ação e interferência do homem, pode ser considerado como a forma não natural da criação da pérola.

Por tudo isso, é fato que a pérola cultivada em questão se difere da pérola natural em diversos aspectos, que serão mais aprofundados e discutidos ao longo do texto.

Porém, a qualidade dos dois tipos de pérolas em questão é indiscutível, uma vez que uma delas é produzida conforme as regras da natureza e a outra é feita seguindo um padrão de procedimento por profissionais especializados no assunto exposto.

pérola cultivada
pérola cultivada

Qual o preço da pérola cultivada?

O preço da pérola cultivada pode ser relacionado com o preço do vinho. Por mais que esses dois produtos sejam de mundos completamente opostos, a valorização dos mesmos quando se trata de preço é feita de forma similar.

O vinho pode ter variações gritantes na hora da escolha e compra do produto, de forma que existem vinhos de dez reais e vinhos de mil reais.

Isso acontece devido vários fatores que permeiam o vinho, tais como forma de fabricação, tempo decorrido desde a produção, tipo de uva utilizado, local onde foi produzido, entre tantos outros.

Por isso, é inegável que a grande variedade entre os preços do vinho depende de forma direta da qualidade e tempo investido para a produção do mesmo, refletindo na quantidade de dinheiro a ser exigido pelo produto.

Sendo assim, é possível estabelecer uma relação entre o vinho e as suas especificações que rodeiam o preço do mesmo com as pérolas cultivadas e o tipo de venda que é feita.

Os principais fatores que são analisados para determinar quanto custará a pérola cultivada são o local em que foi cultivada, o tempo necessário para a formação da pérola e o formato adquirido desse objeto.

Em vista disso, com a finalidade de aumentar o conhecimento sobre esse assunto é espalhar as informações relevantes para que os consumidores entendam o processo de formação da pérola cultivada, os fatores citados acima serão especificados a partir de uma lista explicativa a seguir.

As ostras de água doce possuem um processo mais simples de recolhimento dos moluscos, uma vez que são cultivadas mais próximas à superfície, podendo ser retiradas de forma manual por meio do auxílio de um barco, por exemplo.

Já as ostras cultivadas em água salgada possuem um processo mais complexo em relação a manutenção e retirada das ostras.

Para serem mantidas, precisam estar localizadas em uma profundidade muito superior da qual o ser humano pode aguentar sem equipamentos específicos.

Além disso, é levado em consideração, também, a quantidade de pérolas extraídas em uma ostra.

Enquanto nos moluscos de água doce a produção dessas pérolas pode chegar até trinta por ostra, os de água salgada se limitam a uma quantidade de aproximadamente cinco pérolas.

Portanto, é possível afirmar que o local em que as ostras são cultivadas e, por consequência, as pérolas são formadas, influenciam de forma direta no preço a ser exigido por esse objeto.

Assim como o vinho, o tempo que leva para a pérola cultivada ser formada de fato é uma das formas de observar a influência desse elemento no preço.

Por isso, a medida que o molusco reage ao material estranho inserido no seu interior por um ser humano pode variar de ostra para ostra, uma vez que cada organismo tem um tempo de reação diferente.

A diferença pode ser observada, principalmente, ao analisar a forma como as ostras de água doce e salgada se comportam ao longo do tempo.

Além disso, a forma como elas são mantidas e retiradas do seu cultivo também podem ser considerados fatores determinantes que influenciam o preço do produto.

Sendo assim, é importante conhecer a diferença entre a realização do cultivo em água doce e salgada, explicada melhor a seguir.

Como previamente estabelecido, as ostras que permanecem em água doce são mantidas mais próximas à superfície se comparadas às de água salgada.

Desse modo, a extração dos moluscos das águas é mais simples, fácil e rápida, influenciando no preço que ela terá no futuro.

Por outro lado, as ostras mantidas em água salgada precisam de um local mais profundo para sobreviverem e conseguirem reagir ao mau estranho imposto dentro do seu corpo.

Assim, ao realizar a retirada dessas ostras e conseguir fazer a extração das pérolas cultivadas em água salgada, é preciso que um mergulhador profissional seja acionado e consiga fazer esse procedimento.

Por isso, as pérolas cultivadas em água salgada têm um tempo mais demorado e é mais trabalhoso que no cultivo de água doce, exigindo mais dos trabalhadores que exercem esses serviços.

Portanto, é possível estabelecer que o tempo necessário para que as ostras consigam formar as pérolas, assim como a maneira como esse molusco é mantido e como a retirada do mesmo é realizada, são fatores que têm influência direta no preço das pérolas cultivadas ao final.

Ao fazer a utilização do cilindro como objeto a ser inserido no interior da ostra, o cultivador tem o poder de definir o formato que a pérola vai obter após o processo de formação dela.

Assim, se deseja uma pérola perfeitamente redonda, é necessário inserir um cilindro que corresponda ao formato desejado.

Se deseja uma pérola mais oval, o cilindro inserido precisa corresponder a essa forma, buscando sempre estabelecer uma relação entre o que é desejado e o procedimento a ser realizado.

Por isso, é inegável que o formato dessas pérolas infere na valorização do preço final, podendo ter uma influência bastante considerável na quantidade de dinheiro a ser exigido pelo produto.

Por tudo isso, é possível afirmar que o preço da pérola cultivada varia de acordo com diversos elementos que permeiam a formação da pérola em questão, sendo fundamental que o consumidor se atente às especificações por trás de cada produto que contém pérolas em sua composição.

Pérola cultivada
Pérola cultivada

Como essa pérola é feita?

As pérolas naturais são formadas com a entrada de um objeto estranho que a ostra não reconhece como seu próprio corpo.

Esse objeto pode ser, principalmente, um grão de areia, por exemplo, que entra na ostra e se instala.

Dessa forma, para se proteger, o molusco envia camadas de substâncias produzidas no próprio organismo para envolver e mobilizar esse objeto não identificado.

A pérola cultivada, diferentemente da natural, é feita a partir da inserção de algum objeto exterior ao molusco no interior do corpo do mesmo.

Com isso, a ostra estranha esse objeto em questão e começa a envolver o mesmo com a liberação de uma substância chamada nácar, com o objetivo de tentar se proteger.

O material a ser inserido pela ação humana pode variar, seja por uma matéria orgânica para estimular a produção ou por um objeto previamente estudado e fabricado de forma específica para a realização dessa inserção.

É o caso dos cilindros que são posicionados dentro dos moluscos. O ser humano consegue colocar esses cilindros dentro da ostra, determinando como essa pérola cultivada irá se estabelecer esteticamente após o processo de formação.

Assim, esse tipo específico de pérola pode ser feito a partir da inserção de objetos que sejam estranhos ao molusco, fazendo com que estes reajam aos objetos e consigam formar as pérolas cultivadas.

Qual a diferença entre pérolas naturais e cultivadas?

A principal diferença entre pérolas naturais e cultivadas está no processo que antecede a formação delas.

Enquanto as naturais são produzidas a partir de um grão de areia encontrado no mar ou rio, por exemplo, as cultivadas têm a interferência humana.

Dito isso, os profissionais cultivadores inserem objetos específicos de forma proposital para fazer com que os moluscos reajam e consigam formar as pérolas cultivadas a partir da vontade do homem.

Sendo assim, é possível observar que a pérola formada no produto final é basicamente a mesma. A única e principal diferença entre a natural e a cultivada é a forma como elas são motivadas.

Enquanto uma não possui influência alguma da ação humana, sendo completamente formada pela vontade da natureza, a outra segue um padrão programado de acordo com a vontade antropológica.

colar
colar

Como descobrir se uma pérola é natural ou cultivada?

Na primeira olhada, as pérolas naturais e cultivadas podem se parecer muito e não apresentar nenhuma diferença efetiva no primeiro momento.

Entretanto, elas possuem diferenças que podem ser identificadas a partir da utilização de algumas dicas para descobrir se elas são frutos do processo natural ou cultivado.

O primeiro método que pode ser aplicado para descobrir essa diferença e o mais eficaz para definir com segurança, é a radiografia.

A partir da radiografia é possível observar se o interior da pérola possui um objeto natural, a exemplo de grãos de areia, ou artificiais, como o cilindro planejado.

Além da radiografia, observar o formato dessas pérolas também é uma forma de identificar a diferença entre elas.

Geralmente as pérolas naturais têm irregularidades na sua aparência devido a irregularidade dos objetos que entram no seu interior de forma natural.

Já as pérolas cultivadas possuem características mais arredondadas, uma vez que os cilindros inseridos no seu interior têm a capacidade de definir o formato final do produto.

Outro método que pode ser utilizado para fazer essa diferenciação é a observação do brilho refletido pela pérola.

Ao colocar na luz intensa, é possível observar que a natural reflete um brilho perfeitamente branco, diferente da cultivada, que reflete uma cor mais esverdeada.

Por tudo isso, é possível concluir que a pérola cultivada e natural possuem suas diferenças, seja na maneira de ser formada ou no produto final, mas ambas esbanjam qualidade e elegância ao serem adquiridas e utilizadas no site Hésttia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.